I Encontro Norte das Produtoras Culturais

Nos dias 12, 13 e 14 foi realizado o I Encontro Norte das Produtoras Culturais Colaborativas, na Escola Bosque, na ilha de Caratateua – Distrito de Outeiro, Belém-PA. O evento reuniu representantes de produtoras colaborativas de diferentes estados da região amazônica, entre os quais Amapá, Maranhão, Pará e Roraima. Importantes temas foram debatidos nos 3 dias, assim como também oficinas e mini-cursos foram ofertados, dando ênfase ao debate sobre as questões relacionadas a terra, água, comunicação e sustentabilidade.

O primeiro dia de evento foi composto por rodas de conversa, já na abertura cada participante pôde apresentar-se e falar brevemente sobre a importância do encontro e também sobre as ações desenvolvidas no território onde atuam. Também foram realizadas oficinas pela parte da tarde sobre gerenciadores de conteúdo web (CMSs), possibilitando aos participantes a expansão de seus conhecimentos em relação apropriação tecnológica, gestão compartilhada e empreendimentos colaborativos digitais.

 O segundo teve início com outra roda de conversa, dessa vez abordando o tema da “Digitalização dos meios de comunicação desafios e possibilidades de criação e fortalecimento de veículos comunitários”, na ocasião as produtoras colaborativas presentes e ativistas, tiveram a possibilidade de dabater sobre o panorama da TV Digital no Brasil, bem como conhecer experiências como a da Rádio Exu, que desenvolve um trabalho de comunicação comunitária digital através de uma rede de terreiros. A tarde continuou com oficinas de áudio e rádio web, gestão compartilhada e corais além de ferramentas livres de criação para mídias sociais.

 O I Encontro Norte das Produtoras Culturais Colaborativas encerrou com um dia repleto de atrações. Pela manhã teve continuidade a oficina sobre introdução à plataforma Corais. Org e pela tarde oficina de web rádio. O ponto alto do dia dia foi a Sambada da Casa Preta, que contou com várias atrações culturais entre elas Samaurício, Mestre Apolo, Pássaro Colibri, Rafael Lima, Tambor de Crioula e Amigos de Cururupu, Zimba Groove, Africanos de Icoaraci e TC da Casa de Cultura Taynã.

Além disso no início da noite foi plantado o primeiro Pé de Baobá na Ilha Carataeua, foi um momento simbólico de fortalecimento da Produtora Cultural Colaborativa Casa Preta em Outeiro. Símbolo da perenidade ancestral e do compromisso das produtoras culturais colaborativas da região norte em levar adiante os princípios que as norteiam: conhecimento, colaboração e liberdade.

                                                                           

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *