Casa Preta realiza oficina de Rádio Comunitária

No dia 06 de setembro, foi dado início a um projeto que integra ações da Produtora Colaborativa Casa Preta, apoiada pelo fundo Baobá que marca o fortalecimento das ações das entidades na ilha do Outeiro.  A oficina é voltada para todos os públicos, principalmente jovens e comunidade do bairro. Durante as atividades os participantes experimentarão as diversas etapas da produção de conteúdo em áudio, voltado para o rádio, desde a concepção de programas, elaboração de roteiro, passando pela realização de entrevistas, gravação de locução, edição, e a execução dos áudios produzidos através de uma rádio livre que deve funcionar durante toda a oficina. 

O objetivo é promover a formação de rádio comunicadores para produção de conteúdo informativos, culturais, educativos e de entretenimento, transmitindo esses conteúdos via rádio livre. A ideia é oferecer aos participantes, subsídios para que possam participar ativamente de todas as etapas do processo (da criação à veiculação de conteúdos radiofônicos em seus mais variados gêneros e formatos).

A oficina está sendo ministrada pelo jornalista e produtor cultural Sérgio Melo que atua na área de produção de conteúdos e implementação de rádios livres em comunidade tradicionais ha mais de 10 anos. O jornalista também é responsável pela criação da rede de Rádios Livres Indígenas da Bahia, iniciativa que reúne 3 rádios livres instaladas em diferentes comunidades indígenas e quilombolas do Estado.

As inscrições foram gratuitas e preencheram rapidamente o limite de 20 vagas nos primeiros dias de curso e foram explanadas discussões acerca do que é a rádio livre e de como ela funciona. De acordo com o produtor, vários participantes não possuíam familiaridade com o uso de computadores, porém os  resultados estão sendo positivos, e ao longo de toda a oficina é feito exclusivamente o uso de softwares livres, desde a criação de “spots” e vinhetas, até a finalização do curso. A Casa preta é parceira da Produtora Colaborativa do Pará.

 

Texto: Samyra Mercês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *